Docilda

Aqui … com doçura, paixão e alegria, vida, sorrisos, sucesso e amor… sabedoria, esperança, caridade e diferenças, saudades, liberdade, dúvidas e certezas, …entre amigos ou família… quem sabe outras crenças …dias de sol ou de chuva… sem frescuras… dividimos…”segredos”.

27/10/2012

Filed under: Solidão — docilda @ 16:39
Tags:

Asking a writer what he thinks about criticism is like asking a lamppost what it feels about dogs.
JOHN OSBORNE

 

{113} Rótulos são para Geléias. 26/10/2012

Filed under: Dia-a-dia,Solidão — docilda @ 12:40
Tags:

Imagem

“Se é gorda, não serve.

Se é magra demais, não serve.

Se é baixinha, ela não te alcança.

Se é alta, fica feio.

Se é gostosa, é fútil.

Se não tem peito e bunda, é reta.

Se é nerd, é chata.

Se não é estudiosa, é burra.

Se tem ídolos, é infantil.

Se não tem, nunca vai ser nada, porque não tem em quem se espelhar.

Se fala “eu te amo” toda hora, é falsa.

Se não fala “eu te amo”, é fria.

Se é fechada, é sem papo.

Se se aproxima, fala demais.

Se sorri demais, é mentira.

Se chora demais, é exagero.

Se é rico, é metido.

Se é pobre, é coitado.

Se é engraçado, quer se mostrar.

Se é quieto, é sem graça.

Se beija demais, não sabe se respeitar.

Se não beija todo mundo, é idiota.

Se tem tatuagens/piercings, é revoltado.

Se não tem, é sem personalidade.

Se ultrapassa as regras, não tem postura.

Se não ultrapassa, é certinho.

Se não fala, é antipático.

Se fala, está afim. “

Então, seja o que você quiser.

Nada vai estar bom para a sociedade mesmo.”

Desconheço o autor. Se alguém souber por favor avise, para dar-lhe os devidos créditos.

 

{076} Amor 19/07/2009

Filed under: Amor,Citações,Martha Medeiros — docilda @ 1:30
Tags: , , ,

42-15837063

Amor

Você está sozinho… Em frente a TV, devora dois pacotes de doritos enquanto espera o telefone tocar.
Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha…
Triiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmm
É a sua mãe, quem mais poderia ser?
Amor nenhum faz chamadas por telepatia.
Amor não atende com hora marcada.
Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase “galinha”, sem disposição para relacionamentos sérios.
Ele passa batido e você nem aí.
Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido, desconfiado, cheio de olheiras….
E o amor dá meia – volta, volver….
Por que o amor nunca chega na hora certa?
Agora, por exemplo…
Que você está de banho tomado, com camisa e jeans?
Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana?
Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz?
Agora que você está com o coração as moscas e morrendo de frio.
O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina.
Você passa uma festa inteira hipnotizando alguém que nem te enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos para você.
Ou então fica arrasado porque não foi à praia no final de semana.
Toda sua turma está lá, azarando-se uns aos outros.
Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida.
O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.
O jeito é redirecionar o radar, para norte, sul, leste e oeste.
Seu amor pode estar num corredor de supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole.
O amor está em todos os lugares, você que não procura direito!
A primeira lição está dada:
“O amor é onipresente!”
Agora, a segunda:
“… mas é imprevisível!”
Jamais espere ouvir “Eu te amo” num jantar à luz de velas no dia dos namorados.
Ou receber flores logo após a primeira transa.
O amor, odeia clichês.
Você vai ouvir “eu te amo” numa terça-feira, às quatro da tarde… depois de uma discussão, por você ter gostado do filme e ele não…e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovada no teste de baliza…
Idealizar é sofrer!
Amar é surpreender!
Amem sempre, pois (não é mera pieguice) tudo passa, no fim, só o amor, permanece!

Martha Medeiros

 

{071} Abismo 03/07/2009

Filed under: Alfred Tennyson,Citações,Livros,Poesia — docilda @ 23:08
Tags: , ,

“Talvez o abismo nos engula
Talvez cheguemos a Atlântida
Talvez não tenhamos mais a força de mover montanhas.
Mas somos o que somos.”

Alfred Tennyson

abismo1

 

{070} Lúcida em Excesso 10/06/2009

Filed under: Citações,Clarice Lispector,Livros,Solidão — docilda @ 1:29
Tags: ,

confusao

Lúcida em excesso

“Estou sentindo uma clareza tão grande que me anula como pessoa atual e comum: é uma lucidez vazia, como explicar? assim como um cálculo matemático perfeito do qual, no entanto, não se precise. Estou por assim dizer vendo claramente o vazio. E nem entendo aquilo que entendo: pois estou infinitamente maior do que eu mesma, e não me alcanço. Além do quê: que faço dessa lucidez? Sei também que esta minha lucidez pode-se tornar o inferno humano — já me aconteceu antes. Pois sei que — em termos de nossa diária e permanente acomodação resignada à irrealidade — essa clareza de realidade é um risco. Apagai, pois, minha flama, Deus, porque ela não me serve para viver os dias. Ajudai-me a de novo consistir dos modos possíveis. Eu consisto, eu consisto, amém.”

Clarice Lispector

 

{069} Florbela Espanca 15/05/2009

Filed under: Florbela Espanca,Inspiração,Poesia — docilda @ 23:58
Tags: , ,

mentiras

“Sou uma céptica que crê em tudo, uma desiludida cheia de ilusões, uma revoltada que aceita, sorridente, todo o mal da vida, uma indiferente a transbordar de ternura. Grave e metódica até à mania, atenta a todas as subtilezas dum raciocínio claro e lúcido, não deixo, no entanto, de ser uma espécie de D. Quixote fêmea a combater moinhos de vento, quimérica e fantástica, sempre enganada e sempre a pedir novas mentiras à vida, num dar de mim própria que não acaba, que não desfalece, que não cansa”

♥ Florbela Espanca ♥

 

 

{066} Solidão de Clarice Lispector 13/05/2009

Solidão

Minha força está na solidão.
Não tenho medo nem das chuvas tempestivas
nem das grandes ventanias soltas,
pois eu também sou o escuro da noite.

Clarice Lispector

sozinha