Docilda

Aqui … com doçura, paixão e alegria, vida, sorrisos, sucesso e amor… sabedoria, esperança, caridade e diferenças, saudades, liberdade, dúvidas e certezas, …entre amigos ou família… quem sabe outras crenças …dias de sol ou de chuva… sem frescuras… dividimos…”segredos”.

{084} Dois Modos – Clarice Lispector 24/01/2010

Dois Modos
Como se eu procurasse não aproveitar a vida imediatamente,
mas só a mais profunda, o que me dá dois modos de ser:
em vida, observo muito,
sou “ativa” nas observações,
tenho o senso do ridículo,
do bom humor,
da ironia
e tomo um partido.
Escrevendo, tenho observações “passivas”,
tão interiores que “se escrevem” ao mesmo tempo em que são
sentidas quase sem o que se chama de processo.
É por isso que no escrever eu não escolho,
não posso me multiplicar em mil,
me sinto fatal a despeito de mim.

Clarice Lispector

Anúncios
 

{030}Ricardo Reis 07/01/2009

trigo
As rosas Amo dos jardins de Adónis,
Essas volucres amo, Lídia, rosas,
Em que o dia em que nascem,
Em esse dia morrem.
A luz para elas é eterna, porque
Nascem nascido já o sol, e acabam
Antes que o Apolo deixe
O seu curso visível.
Assim façamos nossa vida um dia,
Inscientes, Lídia, voluntariamente
Que há noite antes e após
O pouco que duramos.

Ricardo Reis, Poesia

 

{020} Clarice Lispector 30/07/2008


“…Não pense que a pessoa tem tanta força assim a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso – nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro. Nem sei como lhe explicar minha alma. Mas o que eu queria dizer é que a gente é muito preciosa, e que é somente até um certo ponto que a gente pode desistir de si própria e se dar aos outros e às circunstâncias. Depois que uma pessoa perder o respeito a si mesma e o respeito às suas próprias necessidades – depois disso fica-se um pouco um trapo.
Pegue para você o que lhe pertence, e o que lhe pertence é tudo aquilo que sua vida exige. Parece uma vida amoral. Mas o que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesma.”

Clarice Lispector

 

Marlene Dietrich *3* 26/07/2008

null

Ele a chamava de “Kraut” e ela o chamava de (que mais?) “Papa”.
Ernest Hemingway e Marlene Dietrich se conheceram em uma viagem pelo Atlântico, na Ile de France, em 1934. Sua amizade durou até a morte do autor vencedor do Nobel, em 1961.
Hemingway descreveu sua relação com a Marlene Dietrich como ‘uma paixão assíncrona’

Na quinta-feira (29/3), a Biblioteca John F. Kennedy lança 30 cartas que Hemingway escreveu para a lendária atriz e cantora entre 1949 e 1959. Em 2003, Maria Riva, filha de Dietrich, doou à biblioteca as cartas, assim como duas histórias batidas à máquina, dois poemas e uma versão anterior do romance “Do Outro Lado do Rio e Entre as Árvores”.
A viúva de Hemingway, Mary, doou seus documentos à biblioteca em 1968. “Quando combinada com a coleção da biblioteca da correspondência de Dietrich para Hemingway, essas novas cartas ajudam a completar a história de uma amizade notável, entre dois indivíduos excepcionais”, disse em declaração Tom Putnam, diretor da biblioteca.
O neto de Dietrich, Peter Riva, disse em entrevista telefônica que quando sua mãe vendeu os bens de Dietrich para o governo alemão, em 1993, ela fez questão de excluir os materiais de Hemingway da venda. “Ela os considerava tesouros americanos”, disse Riva, descrevendo a opinião de sua mãe, “e queria que ficassem guardados para a nação. Francamente, ela foi aconselhada pelos amigos a vendê-los.” Riva disse que uma avaliação tinha estimado o valor da doação em US$ 6 milhões (em torno de R$ 12 milhões).
A correspondência consiste de 25 cartas (sete escritas à mão), quatro telegramas e um cartão de Natal. Nelas, Hemingway apresenta seu lado mais despojado: profano e menino, algumas vezes brincalhão, algumas vezes filosófico, e sempre profundamente afetuoso.
Uma noção da amizade epistolar (e intimidade) de Hemingway com Dietrich fica aparente em uma carta de 1º de fevereiro de 1950, enviada de Veneza. “Mary está bem e envia seu amor”, escreveu. “Estou cumprindo um grande programa de ficar com Miss Mary, e não importa quem. É um programa fácil de manter, por um sistema simples de fazer amor toda noite e, portanto, estar automaticamente praticamente inútil para o consumo de qualquer outra mulher.”
Fica claro pelos dois lados da correspondência (a Biblioteca JFK já tinha 31 cartas e telegramas de Dietrich para Hemingway, enviadas entre 1950 e 1961) que o forte elo emocional entre eles foi correspondido por uma atração física similar. Afirmações intensas de amor apimentam a correspondência.
Ainda assim, Dietrich e Hemingway nunca foram amantes. Eles eram, como observou Hemingway para seu amigo e futuro biógrafo A.E. Hotchner, “vítimas de uma paixão assíncrona”. Toda vez que uma parte estava livre, a outra não estava.
A falta de consumação física pode ter contribuído para os sentimentos muitas vezes calorosos expressados por Hemingway. “O que você realmente quer para o trabalho de uma vida?” escreveu no dia 19 de junho de 1950. “Quebrar o coração de todos por dez centavos? Você sempre pode quebrar o meu por cinco, e eu trarei a moeda.” No final dessa carta, ele refere-se ao seu novo romance como “Under the Arm-Pits and Into the Trees” (sob as axilas e para as árvores).
A conexão Hemingway-Kennedy começou quando o senador John F. Kennedy invocou o autor no lançamento de seu livro “Profiles in Courage” (Perfis de coragem). Mais tarde, Kennedy convidou Hemingway a sua posse. Depois da morte do romancista, JFK ajudou Mary Hemingway a recuperar seus documentos e posses de Cuba, onde o casal morava.

“A vida em geral é a parte difícil”

 

Marlene Dietrich *2*

Trechos da correspondência de Ernest Hemingway com Marlene Dietrich:

“Sei de muitas fofocas, algumas até verdadeiras.”
Dia 26 de setembro de 1949
“Eles deviam ter uma lei confinando autores a Ellis Island, ou algum lugar, por ao menos seis meses depois que terminam um livro.”
1º de fevereiro de 1950
“Mary ainda é a melhor mulher na cama que jamais conheci. É claro que não rodei muito e sou basicamente tímido.”
Dia 23 de maio de 1950
“Você e eu vivemos as piores épocas de todos os tempos. Não quero dizer só as guerras. Guerras são espinafre. A vida em geral é a parte difícil.”
27 de junho de 1950
“Estava quente demais para fazer amor se você puder imaginar, exceto debaixo da água, e eu nunca fui muito bom nisso.”
21 de novembro de 1951
“Também, se não houver problema, não gosto muito do Prêmio Nobel. Eles dão a você aquele dinheiro; mas o dinheiro se perde nos dados e o resto é dor de cabeça e milhares de cartas.”
24 de março de 1955

 

Dieta *-*

Filed under: Dia-a-dia,Dieta,Inspiração — docilda @ 10:47
Tags: , ,

É isso, estou de dieta, já faz algumas semanas, e já estou vendo resultados positivos:

3 kilos perdidos

Mais resistência

Menos sono.

Estou adorando minha reeducação alimentar.