Docilda

Aqui … com doçura, paixão e alegria, vida, sorrisos, sucesso e amor… sabedoria, esperança, caridade e diferenças, saudades, liberdade, dúvidas e certezas, …entre amigos ou família… quem sabe outras crenças …dias de sol ou de chuva… sem frescuras… dividimos…”segredos”.

{085}Ou Isto Ou Aquilo 15/05/2010

Filed under: Cecilia Meireles,Poesia,Solidão — docilda @ 0:08
Tags: ,
“Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!
Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!
Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.
É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!
Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.
Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…
e vivo escolhendo o dia inteiro!
Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.
Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.”

Cecília Meireles

 

{072} Cecília Meireles 05/07/2009

Filed under: Cecilia Meireles,Citações — docilda @ 23:56
Tags: ,

“[…] docemente aprendi essas relações entre o Efêmero e o Eterno.
Em toda a vida, nunca me esforcei por ganhar nem me espantei por perder.
A noção ou sentimento da transitoriedade de tudo é o fundamento da minha personalidade.”

Cecília Meireles

blusinha

 

{064} Cecília Meireles 07/05/2009

Filed under: Cecilia Meireles,Citações,Livros — docilda @ 21:57
Tags: , ,

desejos

“Entre mim e mim, há vastidões bastantes para a navegação dos meus desejos afligidos.”

Cecília Meireles

 

{023} A Arte de Ser Feliz 02/08/2008

Filed under: Amor,Cecilia Meireles,Felicidade,Poesia — docilda @ 9:52
Tags: , , ,

A arte de ser feliz

Houve um tempo em que minha janela se abria sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.

Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada, e o jardim parecia morto.
Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas. Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse. E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos
magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.

Outras vezes encontro nuvens espessas. Avistocrinças que vão para a escola. Pardais que pulam pelo muro. Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais. Borboletas brancas, duas a duas, como refelectidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega. Às vezes um galo canta. Às vezes um
avião passa. Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino. E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

Cecília Meireles

 

{022} Cecília Meireles

No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.

E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta.

Cecília Meireles

 

{017} Silêncio e Solidão… 30/06/2008

Filed under: Cecilia Meireles,Poesia — docilda @ 17:31
Tags: ,

Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas,
e foram sempre positivas para mim: Silêncio e Solidão. Essa foi sempre a área de minha vida.
Área mágica, onde os caleidoscópios inventaram fabulosos mundos geométricos,
onde os relógios revelaram o segredo do seu mecanismo, e as bonecas o jogo do seu olhar.
Mais tarde, foi nessa área que os livros se abriram e deixaram sair suas realidades
e seus sonhos, em combinação tão harmoniosa que até hoje não compreendo como se possa
estabelecer uma separação entre esses dois tempos de vida, unidos como os fios de um pano.

Cecília Meireles

 

{014} Sonhos da Menina 04/06/2008

Filed under: Cecilia Meireles,Poesia — docilda @ 9:26
Tags: ,

A flor com que a menina sonha

está no sonho?

ou na fronha?

 

Sonho

risonho:

 

o vento sozinho

no seu carrinho.

 

De que tamanho

seria o rebanho?

 

A vizinha

apanha

a sombrinha

de teia de aranha…

 

Na lua há um ninho

de passarinho.

 

A lua com que a menina sonha

é o linho do sonho

ou a lua da fronha?

Cecília Meireles